Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Sonhos Se, Meus Sonhos e outros!

Amar é deixar o outro sonhar. O resto é entre ele e seu sonho.

Trabalho não é para amar, é para sustentar o que você mais ama.

Para contar a própria vida a gente tem que cuidar também da vida dos outros. Nunca se sabe os limites que o outro tem para a exposição de sua privacidade. Isso leva a muitos cortes na história.

O que considero mais louco na natureza, é que ela não privilegia a nenhum de seus componentes. A natureza se equilibra constantemente buscando o ÓTIMO para todos, nunca a excelência de uns em detrimento de outros. Como seres naturais, saímos da regra natural. Não nos encaixamos neste planeta. Queremos que ele se adapte a nós e não nós a ele. Como ele é muito maior do que nossa efêmera e escrota existência, nos vingamos e, por raiva, o destruímos.

Nada posso fazer acerca de mim mesmo, senão enganar-me, mais e mais. Quem dera ser vidente do presente, aquele futuro que fabriquei no passado sem saber que o fazia. Sou escravo de meus enganos. Quando penso estar me libertando, me engano de novo. Essa é a realidade, contraditória a qualquer imagem diferente que eu possa passar. Toda imagem não passa de um ideal projetado, uma mentira que já nasce condenada a ser uma verdade frustrada, tal como a vida já nasce fadada a ser morte.

Viver o sonho é tirá-lo das nuvens e trazê-lo para o dia-a-dia, fazendo o que é necessário para formar os alicerces que tornarão possível realizá-lo. E depois de realizado, celebrar, curtir o que tanto o motivou para conquistar sua nova realidade. Sonhe livremente nas nuvens, estude e trabalhe trilhando fortemente o seu chão.

Cabe a cada um ouvir o seu próprio "eu", de preferência sem a insistente intervenção de terceiros, especialmente quando esta se torne inconveniente por não estar sendo solicitada. Deixar ir é desapego e respeito à individualidade. Permanecer à espreita é oportunismo. É preciso saber quando sair de cena. (Gutto Carrer Lima)

É muita gente definindo o que seja o amor, e poucos sabendo amar. Haverá excesso de amor? Há limites para demonstrá-lo? Ou o amor é apenas mais um dentre os caprichos humanos que, ao se ter além do esperado, enjoa?

Quando a gente desapega, vem outro e pega. Problema nenhum nisso, se você desapegou.

Entre o que é e não parece, e o que parece mas não é, permanece o dilema em saber: qual que é?