Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Capela Imperial, Museu Ipiranga e outros!

Museu Paulista

MONUMENTO À INDEPENDÊNCIA – Dos italianos Ettore Ximenes e Manfredo Manfredi, localiza-se no Museu Ipiranga às margens do Riacho de onde D. Pedro I proclamou a Independência do Brasil. Em sua cripta está instalada a Capela Imperial, construída em 1952 para abrigar os restos mortais de Dom Pedro I (embora o seu coração tenha ficado na Igreja da Lapa, no Porto), de sua primeira esposa, a imperatriz D. Leopoldina de Habsburgo, e também de sua segunda esposa, a imperatriz D. Amélia de…

Theatro Municipal de São Paulo

THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO – Dos arquitetos italianos Dominiziano Rossi e Claudio Rossi. Tanto por seu estilo arquitetônico semelhante ao dos mais importantes teatros do mundo e inspirado na Ópera de Paris, quanto pela sua importância histórica, por ter sido o palco da Semana de Arte Moderna de 1922, o marco inicial do Modernismo no Brasil, o teatro foi construído para atender o desejo da elite paulista da época.

Pateo do Collegio

GLÓRIA IMORTAL AOS FUNDADORES DE SÃO PAULO – A coluna, em frente ao Pátio do Colégio, tem em sua base imagens da primeira missa e a catequização dos índios e cenas do cotidiano dos primeiros anos da cidade de São Paulo, que teve origem ali na colina entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí. O artista escolhido para fazer a escultura foi o italiano Amadeo Zani, professor do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. A obra foi idealizada em 1911 e inaugurada em 1925.

VIADUTO SANTA IFIGÊNIA – Projeto pelos arquitetos italianos Giulio Michele e Giuseppe Chiappri. é um viaduto localizado no centro de São Paulo, com uso exclusivamente para pedestres. Começa no Largo São Bento e termina em frente a Igreja de Santa Ifigênia. Sua estrutura foi totalmente fabricada na Bélgica, inaugurado em 26 de JULHO de 1913, pelo prefeito Raimundo Duprat.

Parque Tenente Siqueira Campos (Trianon)

FAUNO – O ser mitológico campestre retrata uma entidade metade homem e metade cabra que segura uma flauta nas mãos. A obra é do artista italiano Victor Brecheret e foi finalizada em 1942. O então prefeito da cidade de São Paulo, Prestes Maia, mandou instalar a estátua esculpida em granito na Praça Dom José Gaspar, mas ela não agradou a população. Religiosos reclamaram que a imagem era demoníaca e pediram sua transferência.

MAUSOLÉU DA FAMÍLIA MATARAZZO – Obra de arte de 1925 em homenagem à uma das mais tradicionais famílias de São Paulo, encontra-se no Cemitério da Consolação, um museu de arte tumular.

Parque Buenos Aires

MÃE – Como o nome indica, a criação do escultor italiano Caetano Fraccaroli homenageia as mães de todo o Brasil. A obra foi inaugurada em 1970 no Parque Buenos Aires. A idéia inicial do autor era instalar a imagem bem próximo ao espelho d’água do parque, para passar a idéia de que a mãe surgia da terra. A criação acabou sendo deslocada para um circulo de concreto, mas a alteração não afetou o objetivo de ilustrar o amor materno.

Feira de Flores da CEAGESP

O SEMEADOR – A imagem de um agricultor lançando grãos na terra, de autoria do escultor italiano Caetano Fraccaroli, foi uma homenagem ao Dia do Trabalho em 1925. Inspirado no ditado popular “Quem semeia, colhe”, a obra foi vencedora de um concurso realizado pela prefeitura de SP. Instalada inicialmente no Parque Dom Pedro II, ela foi transferida para a Praça Apecatu, próximo ao CEAGESP.

Vale do Anhangabaú

GIUSEPPE VERDI – A estátua é resultado do esforço da comunidade italiana em homenagear o compositor italiano. De autoria do italiano Amadeo Zani, a obra foi inaugurada em outubro de 1921 com a presença de milhares de populares e do prefeito Firmiano Pinto, na Praça Verdi. O local deixou de existir com a remodelação do Vale do Anhangabaú e a obra foi levada para as escadarias que ligam o vale à Rua Libero Badaró.

GIUSEPPE GARIBALDI – O busto é uma homenagem da colônia italiana no Brasil ao italiano que participou de diversos movimentos armados no Brasil e na Itália. Seu monumento, erguido no Parque da Luz, em 1910, foi encomendado ao escultor, também italiano, Emilio Gallori. Uma multidão, incluindo Olavo Bilac, participou da inauguração do local, que durante anos foi ponto de encontro da comunidade italiana nas celebrações da independência da Itália.