Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Três Respostas, Oferecidas e outros!

As três respostas mais oferecidas à questão da preferência pelo transporte público foram ‘ser mais barato’, ‘ser mais rápido’ e ‘ser a única forma que conhece’

As três respostas mais frequentes para a pergunta ‘por que você escolhe o carro’ foram ‘ser mais rápido’, ‘ser mais confortável’ e ‘ser mais cômodo’. Faz sentido.

Rapidez, bom preço e a forcinha para a saúde foram as três respostas mais comuns dadas pelos entrevistados quando os pesquisadores do Ipea perguntaram o motivo da escolha da ‘magrela’.

Como você já deve ter lido por aqui, a segunda resposta mais dada à pergunta acerca do motivo de se escolher o transporte público é: ele é mais rápido.

Como fazer com que a percepção e a realidade, paralelas, se encontrem?

A sugestão dos pesquisadores do Ipea para aproximar a percepção da realidade é que se invista em informação, para que quem não usa o transporte público saiba que os usuários o consideram rápido.

O público pertence a todos e é de responsabilidade de todos. A rua, como espaço público por excelência, é local de passagem, de encontro. De todos, de qualquer um. Por isso, pensar em mobilidade é mais que pensar em como Joãozinho vai conseguir trafegar velozmente com seu carro pela avenida bem sinalizada.

Nem sempre as pessoas estão seguras. No Maranhão, o Detran teve que fazer uma campanha para tentar diminuir o número de atropelamentos nas faixas de pedestres. Inventado na década de 40, na Inglaterra, exatamente 40 anos depois do início da produção de automóveis em série, esse tipo de sinalização horizontal é ora subestimado, ora superestimado. As duas avaliações são perigosas.

Alvo de muitas críticas, o transporte público é o mais procurado pelos entrevistados. E, entre os motivos para a escolha, chama a atenção um que demonstra que a escolha está em parte relacionada à falta de opção.

Dizem até que país desenvolvido não é aquele em que pobre anda de carro, mas aquele onde os ricos andam de ônibus. E a frota nacional do coletivo, num contraste gigantesco com a do automóvel, é de cerca de 515 mil.