Explora Seu Documentário, Nós Quando e outros!

Não deixamos de ser o que representamos ser. Quando selecionamos parte de nós, também somos nós. Quando Jamie manipula a gravação de seu documentário não deixa de documentar.

Não deixamos de ser o que representamos ser. Quando selecionamos parte de nós, também somos nós. Quando Jamie manipula a gravação de seu documentário não deixa de documentar.

Olhar Um,Cada Olhar,Em Esquecimento,Filmes Indie,Filme Documentário,Melhores Filmes,Os Melhores,Memória,De 2013

"A Caravana Farkas é um dos contextos mais emblemáticos do cinema brasileiro. Em momento de efervescência política concomitantemente com o Golpe Militar, um grupo de jovens universitários começou a realizar curtos documentários sobre o povo brasileiro."

"A Caravana Farkas é um dos contextos mais emblemáticos do cinema brasileiro. Em momento de efervescência política concomitantemente com o Golpe Militar, um grupo de jovens universitários começou a realizar curtos documentários sobre o povo brasileiro."

"O torcedor, as charangas, a bilheteria. O gramado, a superlotação, os PMs. O arbitro, os cantos de guerra: o torcedor. Tudo, em "todomundo", documentário finalizado em 1980, une-se para contemplar o grande astro: a bola."

"O torcedor, as charangas, a bilheteria. O gramado, a superlotação, os PMs. O arbitro, os cantos de guerra: o torcedor. Tudo, em "todomundo", documentário finalizado em 1980, une-se para contemplar o grande astro: a bola."

Programação contempla os doze filmes concorrentes ao 10º Prêmio FIESP/SESI-SP de Cinema. Confira!

Programação contempla os doze filmes concorrentes ao 10º Prêmio FIESP/SESI-SP de Cinema. Confira!

"O documentário mostra a disparidade dos cotidianos, da vida que pulsa ao nosso redor, dá voz a outras culturas e costumes, é uma janela para outras realidades. E qual a importância disso? Nenhuma, para quem pensa que o universo gira e funciona somente no perímetro que lhe interessa - geralmente, o próprio umbigo."

"O documentário mostra a disparidade dos cotidianos, da vida que pulsa ao nosso redor, dá voz a outras culturas e costumes, é uma janela para outras realidades. E qual a importância disso? Nenhuma, para quem pensa que o universo gira e funciona somente no perímetro que lhe interessa - geralmente, o próprio umbigo."

"Vencedor em 2010 do Festival É Tudo Verdade, o filme se baseia em histórias e fatos do sertão de Minas Gerais e arranca dúvidas enquanto memória e representação. O artifício em que o documentário se tornou é a transposição caracterizada atualmente pela mídia. (...) a tentativa é compreender o que acontece quando se quer filmar o “real”."

"Vencedor em 2010 do Festival É Tudo Verdade, o filme se baseia em histórias e fatos do sertão de Minas Gerais e arranca dúvidas enquanto memória e representação. O artifício em que o documentário se tornou é a transposição caracterizada atualmente pela mídia. (...) a tentativa é compreender o que acontece quando se quer filmar o “real”."

O ponto alto do documentário é conhecer a mente por trás dos livros. Ele nos apresenta J.K.Rowling como uma mulher que passou por muita coisa na vida e que essas experiências, como a relação ruim com o pai, a morte da mãe, o casamento mal sucedido e a depressão, estão presentes em seus personagens e em sua história.

O ponto alto do documentário é conhecer a mente por trás dos livros. Ele nos apresenta J.K.Rowling como uma mulher que passou por muita coisa na vida e que essas experiências, como a relação ruim com o pai, a morte da mãe, o casamento mal sucedido e a depressão, estão presentes em seus personagens e em sua história.

"Estamira se calou por tanto tempo que, quando resolveu começar a falar, foi chamada de psicótica. Já depois de idosa, abandonada pelo marido e pelos filhos, começou a trabalhar no aterro sanitário de Jardim Gamacho, local que recebe os resíduos produzidos na cidade do Rio de Janeiro. “Eu trabalho aqui porque gosto” disse para as câmeras no documentário que levou o seu nome."

"Estamira se calou por tanto tempo que, quando resolveu começar a falar, foi chamada de psicótica. Já depois de idosa, abandonada pelo marido e pelos filhos, começou a trabalhar no aterro sanitário de Jardim Gamacho, local que recebe os resíduos produzidos na cidade do Rio de Janeiro. “Eu trabalho aqui porque gosto” disse para as câmeras no documentário que levou o seu nome."

"Um documentário de suspensão da atitude artística, de esvaziamento do comportamento humano, da forma de ser e estar mulher dentro de uma fortificação de resistência cultural. O filme busca um diálogo com a figuração de um sertanejo."

"Um documentário de suspensão da atitude artística, de esvaziamento do comportamento humano, da forma de ser e estar mulher dentro de uma fortificação de resistência cultural. O filme busca um diálogo com a figuração de um sertanejo."

Pinterest • O catálogo mundial de ideias
Search