Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Bem Como, Maravilha e outros!

Dalton Trevisan em «a polaquinha»

-- Já conhecia essa posição? – Que maravilha, bem. Como é que… Mais repetida que mamãe-e-papai. – Inventei agorinha mesmo.

há livros lava-tudo: até dão banho a deuses

o que haveria de surpreender deus era fácil de escolher, um cif líquido marine que ganhasse braços e pernas e fosse muito bem educado para as coisas da limpeza.

Mário de Carvalho em «fantasia para dois coronéis e uma piscina»

Porque é evidente que as circunstâncias da lusa vivência não consentem que um cidadão deixe o seu carro bem estacionado e vá, descansado, à sua vida. Isso seria demasiado simples. E a simpleza repugna aos portugueses. Deixar alguém na despreocupação? A fruir dos seus direitos? Isso é antilusitano.

João Ubaldo Ribeiro em «a casa dos budas ditosos»

Aliás, fode-se muito bem em Portugal, ao contrário do que eu suponho ser a opinião generalizada. Mas eu quase nunca gozava com o Zé Nuno, porque, no momento culminante, ele urrava “não t’acanhes, não t’acanhes!”, e o meu ponto G acionava o disjuntor no ato, eu entrava em crises de riso e depois roçava na bunda dele, ele adorava, embora fosse machíssimo como todo português (...)

José Saramago em «a viagem do elefante»

(...) já sabemos que, nestas coisas da escrita, não é raro que uma palavra puxe por outra só pelo bem que soam juntas, assim muitas vezes se sacrificando o respeito à leviandade, a ética à estética, se cabem num discurso como este tão solenes conceitos, e ainda por cima sem proveito para ninguém. Por essas e por outras é que, quase sem darmos por isso, vamos arranjando tantos inimigos na vida.

Carlos de Oliveira em «uma abelha na chuva»

Sentou-se, pediu um brandy e engoliu-o dum trago. Na sua lentidão natural era a única coisa que fazia com alguma pressa. Encostava o cálice à boca bem aberta, imobilizava-o um momento e de seguida, num golpe brusco, atirava o brandy à garganta.

cuida bem do teu chapéu. não tarda vais perceber. neste fim do mundo, ele é mesmo o teu melhor amigo.

Os teus amigos podem ser todos muito boas pessoas mas não há nenhum que não caia nas mãos da polícia se a recompensa for boa as mulheres não tardam a fartar-se do cheiro dos teus peidos na cama delas e os cães são boa companhia mas mais tarde ou mais cedo acabam por morrer.

Amor,livros,ler,diferente

António Lobo Antunes em «o esplendor de portugal»

Porque sou mulher e me educaram para ser mulher, isto é para entender fingindo que não entendia a fraqueza dos homens e o avesso do mundo, as costuras dos sentimentos, os desgostos cerzidos, as bainhas da alma, me educaram para desculpar as mentiras e o desassossego deles, não aceitar, não ser cega, desculpar conforme desculpei ao meu pai as suas infidelidades ruidosas e ao meu marido a sua indecisão patética (...)

Joyce Carol Oates em «águas negras»

O peso dele em cima dela, os braços dele em torno dela, as suas pernas trémulas em torno dos quadris dele, os seus joelhos trémulos levantados desajeitadamente até aos ombros para que ele pudesse penetrar o mais fundo possível, sim, sim, assim, oh meu deus e ela sabia que os lábios de G estavam contraídos numa careta, aquele triunfo de caveira do qual Kelly era excluída.