Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora 20 Muito, Pagu Patrícia e outros!

Eternamente Pagú (1988), de Norma Bengel. Carla Camuratti é Patrícia Galvão, a escritora, poeta e jornalista Pagu, ousadíssima para os padrões da década de 20. Muito jovem, envolveu-se com os modernistas do movimento antropofágico e fez Oswald de Andrade se separar de Tarsila do Amaral.

Lavoura Arcaica (2001), de Luiz Fernando Carvalho. Baseado no romance de Raduan Nassar, conta a história de André (Selton Mello), um jovem libanês que vivia numa propriedade rural com sua tradicional família. Ele foge para escapar de uma paixão proibida e do fanatismo religioso-punitivo de seu pai (Raul Cortez). Cinema dos bons, feito de poesia, literatura, fotografia em tons de sépia, música e dança (tão cedo você não tira da cabeça as cenas com Simone Spoladore).

Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos. Adaptação do livro de Graciliano Ramos, conta a dura vida de uma família de retirantes e sua cadela Baleia. Procuram um mínimo de dignidade, como poder dormir numa cama de couro, e vivem “fugindo no mato que nem bicho” para escapar da seca. Feito há mais de 5 décadas, o público hoje pode sofrer com a lentidão e as falas do personagem Fabiano (Átila Iório), que nunca parecem naturais. Concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes.

Mário de Andrade (1893-1945). Poeta, romancista, crítico de arte, ensaísta e musicólogo. Um dos organizadores da Semana de Arte Moderna, em 1922. A publicação, neste mesmo ano, de seu poema Paulicéia desvairada, figura como data inaugural do movimento modernista brasileiro.

Amarelo Manga (2002), de Cláudio Assis. Não achei um grande filme, mas retrata muito bem a pobreza e os miseráveis do subúrbio de Recife distribuídos por um pulgueiro chamado Hotel Texas e um bar comandado por Leona Cavali. As atuações são ótimas e os personagens tão marcantes que compõem uma fauna. E se o nome do filme é uma cor, nada mais natural que a direção de fotografia de Walter Carvalho colocar um elemento amarelo em cada frame com belíssima unidade gráfica.

A poesía do século XX en BRASIL. Manuel Bandeira, Jorge de Lima, Murilo Mendes, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, Joao Cabral de Me o Neto, José Paulo Paes, Ferreira Gullar, Roberto Piva, Armando Freitas Filho, Antonio Cicero, Carlito Azevedo, Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Cecília Meireles, Mario Quintana, Manoel de Barros, Ledo Ivo, Haroldo de Campos, Adélia Prado, Francisco Alvim, Paulo Leminski, Ana Cristina Cesar, Claudia Roquette-Pinto.

"Oswald de Andrade tem a mania de viajar. Desta vez trouxe máscara contra gases. De outra vez, há vinte anos, trouxe o modernismo na mala."

O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho. A cultura dos senhores de engenho retratada numa rua de Recife: um velho mandão é dono de tudo e seu neto, o corretor de imóveis. A rotina muda quando chega ao local uma equipe de seguranças. Filme inovador, dividido em 3 capítulos, com final surpreendente. E tem humor, com o uso instrutivo de eletrodomésticos por uma moradora insone, além de uma inesquecível reunião de condomínio. O som que vem da rua justifica o nome do filme até a última…