Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Delicadezas, De Leah e outros!

ROTINEIRO! Amanheceu rotineiro Como sempre o fizera Mas não era! Tudo estava diferente Sente.. O frio que estava la fora Batia forte no peito Se aconchegou de um jeito Entre gemidos sussurros Não encontrou seu calor Queria o seu amor! Esse? Estava la fora A branquear a memória Congelando seu pensar. Entre gritos..Posse a chamar! Vem ! irei te agasalhar Não precisa perguntar Eu não quero que me ames Só me deixe te aquecer. Sei que assim irás viver...

CALA! Não fales Se não sabes Discernir! Deixa ir! Não procures Argumentos Não tem jeito! Foi você que quis assim! Não tem culpa! Só lamento! Pelo jeito Bruscamente Foi cortada A corrente Onde havia As sementes Do amor Que tinha por ti! Não ! Não fales! Fique quieto! É o preço a pagar Logo ali! No fim da estrada! Eu espero te encontrar! Marilene Azevedo

DOCE! Ah! Como é doce O sabor Do beijo roubado Desatinado Que foi renegado Cedeu provocado! É doce euforia Que faz gritaria Agita o peito Em noites vazias Preenchidas Da doce agonia! É doce! É doce! O sentir! Da força cedendo Os lábios querendo Aos poucos morrendo Numa entrega total! Ah! Lhe roubaria! O seu salivar! O seu respirar! Apenas para ter O seu entregar! Marilene Azevedo

AROMA DA ROSA! O aroma abrange o ar Com seu deleite cheiroso Parece contaminoso O perfume a espalhar. Desperta linda mimosa Que se não fosses a rosa Irá a te procurar. Como todas as flores Nesse jardim amplidão Deixar tu ficar no galho Ou arrancar-te ..Para morrer pelo chão Espalhas o teu perfume Aroma do roseiral Nunca haverá outro igual Não colhas ! Flores nenhuma! Deixe-as enfeitar o meu mundo Que possa acarinhar Por breves loucos segundos! Marilene Azeved

OUSAS! Ousas insinuarte Com nuances Toques..Mornos Alisas de leve a pele Como a tatear sem sentido Buscando sentir o tecido Da pele roçar o vestido Mansamente se insinua Sabe que a pele nua Vai salientar arrepios Como a gritar o frio Que no interior havia. Ah! Como sabes o que produz Galafrios..Fogo e Luz Na aceleração avançada Sente as garras afiada Ferozmente a lhe gravar! E o furor do olhar A invadir o seu ser Não deixa! Não quer saber!

Campereando Por lembranças Paro! E perco a esperança De ver um dia mudar Como é triste..O comparar. Imagens ..Que vislumbro No interior de lembranças Que passa em ritmo de dança Bailando sem reparar. Não notou! Tempo passou! Hoje só recordações Nem o rastro de emoções Sei que não vai adiantar O que me resta é lutar Para que no próximo verão Possamos te resgatar! Marilene Azevedo

SILÊNCIO QUE FALA! Hummm Como a noite que cai Cai o silêncio na alma E a mente reclama e fala Por onde anda você? Talvez ..Não lembre Não importa! Fechou a porta Para não ouvir Não sentir Sem existir. E a alma que não esquece Em quietude padece Carinhos que perdi. Não vi! O olhar se esvaindo..Indo Nesse horizonte perdido Para não voltar ..Aqui. Por favor ..Madrugada Faz o meu dia nascer Quero ver O Sol dando boas vindas E o sorriso florir! Marilene Azevedo.

VOO..VOO Ando em voos constantes Atiro em outros rasantes Mas não me deixo pousar Aqui! Não é meu lugar. Voo em busca das histórias Secretas ..Guardadas. Memórias O porque de tantos porquês Talvez seja eu ou você O porque que só amamos dentro do nosso "Psique" Ajude a entender Quem sabe ..Num voo encontre Pousada..Doce morada Nos braços do meu querer! Marilene Azevedo

Folha! Bolha! Flutuando Navegando Pelos ares Mares! Solta! Voa Atoa Sem saber Onde ficar! Repousa Bolha! Nesse verde No alpendre Em qualquer Que seja o lugar! Folha..Bolha! Só as duas a brincar! Marilene Azevedo!

Passo! E ao passar Eu notei Aquela figura esguia Tão séria! Tão arredia Estava Absorto Pela dor Que agora Sentia. Pensei! Vou curar! Vou despertar! Vou disser Que sem amor Ninguém vive Que é necessário Amar! Não devia! Pois aquela Criatura Tão esguia Demonstrou Força tamanha Não mostrava Que feria! Aprendi. Que o sofrer Esta em nós Não no que se vê! Marilene Azevedo