Pinterest • O catálogo mundial de ideias

Explora Das Grávidas, Gravidez Parto e outros!

Violência obstétrica: 1 em cada 4 brasileiras diz ter sofrido abuso no parto

Uma em cada quatro mulheres é vítima de desrespeito, abuso, maus tratos e até negligência no parto. A mãe da atriz Grazielli Massafera foi uma delas (Foto: André Arruda/ÉPOCA)

Brasil: “Mãos que Curam, Palavras que Saram”

Com suas ervas, gestos, preces e palavras de conforto, os “médicos do povo” são um importante elemento da cultura popular e do sincretismo religioso brasileiro. Os curandeiros tradicionais são encontrados em todo o país, mas assumem um papel especial principalmente em regiões remotas, onde médicos profissionais são escassos e remédios alopatas inacessíveis.

8 motivos para vivenciar e valorizar trabalhos manuais

kareen1

mulheres que ralam

Iniciada no final do século XIX, a primeira onda do feminismo foi um conjunto de movimentações protagonizado por mulheres em torno da luta por igualdade política e jurídica entre os sexos. O eixo que marcou esse primeiro período de atividade feminista foi a reivindicação por direitos iguais de cidadania (direito à educação, propriedades e posses de bens, divórcio, etc.), tendo como auge a luta sufragista pelo direito ao voto feminino, que aconteceu em diversos países no mundo.

Feministas heterossexuais são hipócritas?

Feministas heterossexuais são hipócritas? — Medium

Lembrete para não esquecer o bebê no carro

Se você mora em uma grande cidade e circula com seu veículo, como eu, provavelmente já usou o aplicativo Waze, não é mesmo? De uns tempos para cá, eu não s

Showcase and discover creative work on the world's leading online platform for creative industries.

New book 'Until We Are Free' details Shirin Ebadi's refusal to be silenced by Iran's mullahs.

BLACK POWER: iníciou nos anos 20, quando Marcus Garvey, tido como o precursor do ativismo negro na Jamaica, insistia na necessidade de romper com padrões de beleza eurocêntricos e a partir disso promover o encontro dos negros com suas raízes africanas. Décadas depois, nos Estados Unidos, o afro também começou a ganhar espaço e se tornou um dos protagonistas na luta pelos direitos civis nos anos 60. No entanto, foram as mulheres as grandes protagonistas dessa história.